June 27, 2015

Intro1000 – Portuguese

 
The David Birnbaum philosophy unifies physics, spirituality and philosophy.  The David Birnbaum philosophy theory (1988, 2005, 2014) is supported by MIT's Seth Llloyd .Both propose an ongoing iterative universe.  See Programming the Universe, Seth Lloyd, Knopf, 2006.

Prefácio

Deus e o Mal de David Birnbaum é uma síntese ousada e altamente original, que tenta fornecer uma solução metafísica abrangente para o problema vexatório do mal radical em um mundo criado e sustentado por um todo poderoso, todo onisciente, benevolente Deus. O Tratamento do problema de Birnbaum altamente intimidante e emocionalmente dolorosa de uma teodiceia judaica em um mundo pós-Holocausto é audacioso contudo sensível, tradicional e ainda altamente inovador. O trabalho se estende sobre uma infinidade de fontes tradicionais e contemporâneas (ortodoxos e não ortodoxos) judaicas, inspira-se os gostos de Gersonides, Isaac Luria, Rav Kook e Rav Soloveitchik, mas também de tais setores inesperados, como Aquino e Irinaeus, e ainda assim consegue ficar dentro dos parâmetros autenticamente judaico, halakhic ponto de vista. O livro de Birnbaum é uma odisséia intelectual, mas é também, conforme se lê, uma busca altamente apaixonada e emocional. O autor profundamente incomodado (como todos nós deveríamos ser) com o contraste entre sua fé inabalável em um Deus que é comprometido (Oséias 2:21-22) e promete proteger o povo judeu em todos os seus caminhos (Salmos 91 : 11), e que mantém a bondade e a misericórdia até a milésima geração (Êxodo 34:6-7), e a realidade dos recém-nascidos "imersa" até a morte, e as crianças que estão sendo jogadas vivas no fogo e tendo produtos químicos injetados em seus olhos, espinhas e cérebros, para citar apenas uma fração das atrocidades vividas pelo povo de Deus na Europa nazista.

A originalidade da abordagem de Birnbaum é evidente em seu filosófico ponto de partida. Em vez de primeiro focar nos atributos de Deus, e a possibilidade de conciliar esses atributos com o manifesto mal, Birnbaum começa com a questão do "propósito do homem", uma questão que ele acredita que só pode ser respondida através da realização de uma investigação muito mais radical para o propósito final e, de fato, a origem de Deus. Birnbaum, como os cabalistas de idade, se atreve a levantar a questão das origens do Criador do universo, uma questão que, em sua opinião, deve ser levantada alegando que a sua solução correta é uma propedêutica necessária ao inquérito genuíno para o problema do mal.

A solução proposta por Birnbaum para a questão das origens divinas, para o mistério de En Sof os cabalistas (o princípio teísta infinito dando origem ao Deus de Israel) é que" Potencial Sagrado está no epicentro do Divino, " que Deus é, por Sua própria natureza, potencial e possibilidade, " transcendendo, espaço, tempo e cosmos," e sempre-surgindo para uma atualidade maior. Birnbaum baseia a sua tese, em parte, o nome pelo qual Deus se tornou conhecido primeiro por Moisés e Israel: Eheye Asher Eheyeh, "Eu-serei-o-que-eu-serei" (Êxodo 03:13-14) onde ele vê como uma prova textual para a sua afirmação de que o potencial é o estado mais sagrado do Divino. Birnbaum vê sefirot os cabalistas "como" missões primordiais para potencialidade ", que preenchem a lacuna do" vazio "para" alguma coisa ", e, assim, se torna os veículos da criação.

O significado de "Potencial Sagrado", como o impulso primordial do universo, é que o homem, criado à imagem de Deus, tem como seu propósito cósmico o cumprimento de seu próprio potencial, encapsulado no primeiro mandamento bíblico, Peru u'rivu, "ser frutífero e multiplicar" (Gênesis 1:26). Birnbaum vê o potencial da humanidade exibido em dois conjuntos possíveis, mas mutuamente exclusivos, de dinâmicas que foram estabelecidos no Jardim do Éden. O primeiro deles, a dinâmica da "Árvore da Vida/beatitude" promete uma existência gaiola dourada, dependência de Deus, vida eterna, mal domado, mas um potencial limitado de crescimento, o segundo, a dinâmica da "Árvore do Conhecimento/potencial", promete uma vida de desafio, liberdade, privacidade, responsabilidade, independência, mal indomado e mortalidade, mas um infinito potencial para o crescimento. Essas duas dinâmicas são, de acordo com Birnbaum, mutuamente excludentes, já que na medida em que se participa da primeira, não pode participar da segunda, e vice-versa. Uma vida de infinita liberdade/potencial é logicamente incompatível com a dependência de Deus e imortalidade pessoal.

Dado o fato de que o homem, como Deus, tem como sua essência, a realização de seu potencial, que é essencialmente uma conclusão precipitada, escrito no próprio ato da criação, que o homem que comeria do fruto, seria banido do Éden, e cumpri a dinâmica da Árvore do Conhecimento. Como tal, os dois mal natural e moral seriam para sempre mais tanto a peste e a humanidade desafio. Na verdade, a possibilidade de o homem cumprir o seu potencial para o bem, tanto em nível individual quanto coletivo, baseia-se na possibilidade de tanto mal natural (como um desafio aos recursos do homem) e mal moral (como um desafio à sua liberdade ).

A humanidade está mais perto de cumprir seus espirituais, intelectuais e outros potenciais, quanto mais perto ele chega para cumprir seu propósito na terra através de seu papel como um parceiro com Deus na criação. Ao fazê-lo, no entanto, o homem deve maximizar sua privacidade, independência e liberdade. Como a humanidade, em seguida, se aproxima de sua própria auto-realização, Deus deve, necessariamente, recuar mais e mais em "eclipse". A humanidade, ao longo dos séculos, de fato ascendeu muito em conhecimento, implicitamente, exigindo cada vez mais liberdade. Para Deus intervir diretamente nos assuntos humanos nesta fase final do desenvolvimento da humanidade, como fez, por exemplo, com os Judeus no Egito, reverteria o próprio desenvolvimento de ambas Sua essência e a da humanidade e, em termos de Birnbaum, ameaçar a "desvendar o cosmos. "

 

Sanford Drob
Editor-em-chefe
NY Revisão Judaica
Fevereiro 1990

 
Harvard-educated David Birnbaum's philosophy offers his paradigm-changing simultaneous solution. His Cosmic Womb of Potential metaphysics de facto cracks the cosmic code. For Theory of Potential, see 3-volume Summa Metaphysica, David Birnbaum, New Paradigm Matrix Publishing, NY, (1988, 2005, 2014.)

Prefácio

por Daniel N. Khalil

*

A Filosofia judaica está muitas vezes resignada à suposição de que as descrições fundamentais de Deus e do universo estão fora do alcance do intelecto humano. Questões de filosofia judaica são geralmente colocada no contexto de uma estrutura misteriosa que raramente é analisado por si só. Essa mentalidade está muitas vezes mais preocupada com o lugar do homem, papel e deveres no mundo, do que com os contornos do universo e a relação deste último com o Eterno:

"[O motivo da filosofia judaica] é a razão que encontramos no xadrez ... xadrez oferece a maior abrangência possível para o cálculo ... Mas tudo isso ocorre de acordo com um conjunto de regras que determinam quais movimentos são permitidos e quais não são e como as peças são configuradas. As regras em si são os limites da razão no xadrez. Elas não são questionadas nem precisam ser justificadas porque a racionalidade do xadrez começa depois que as regras foram estabelecidas ... Esta é a inteligência judaica ... [ela] tem um senso de limite, da vaidade envolvida em lançar perguntas nos limites ... "

- Michael Wyschogrod, Corpo da Fé I, 3.
[ itálicos meu]

Claro, tem ocorrido tentativas notáveis ​​para desafiar essa generalização. Maimonides é talvez o exemplo mais proeminente de um filósofo judeu que iria analisar - se não desafio - suposições fundamentais do judaísmo. Em seu Guia dos Perplexos, Maimônides descreve um judaísmo que se encaixa perfeitamente com a compreensão do universo, conforme estabelecido primeiramente por Aristóteles. Como Maimonides detém o judaísmo à luz da lógica de Aristóteles, ele encontra concordância em todos os tópicos, com apenas uma exceção: a questão do eternalismo.

Aristóteles é o 'eternalista ", acreditando que o universo é eterno e que Deus passa a existir em algum momento. Maimônides afirma o contrário: que Deus é eterno e que o universo está ativamente trazido à existência. É surpreendente que Maimonides, que aceita a posição de Aristóteles sobre uma variedade de tópicos, incluindo a essência de ambos Deus e o homem, não pode encontrar um acordo com Aristóteles sobre a relação entre Deus e o cosmos. É ainda mais surpreendente que nem Maimonides nem Aristóteles afirmam provar suas respectivas posições do vis-à-vis da relação de Deus com o cosmos. É como se os dois homens juntos sondassem as profundezas da metafísica em completo acordo, apenas para renunciar, abertamente, as suas respectivas pressuposições no final da jornada.

Ambos os lados parecem estar faltando ferramentas que são essenciais para completar esta jornada. E ambos os lados admitem seus respectivos despreparo, abandonando o processo- de-pensamento que os trouxe a este ponto:

“Quanto aos assuntos sobre os quais não temos nenhum argumento ou que são muito excelente em nossa opinião, é difícil para nós dizer: por que isso é assim? Por exemplo, quando dizemos: É o mundo eterno ou não? ”
– Aristóteles, Topico I, 11

“A eternidade do mundo ou a sua criação em tempo torna-se uma questão em aberto, que deve, em minha opinião, ser aceito sem prova ... não está no poder de especulação a aderir. ”
– Moisés Maimônides, Guia dos Perplexos, II, 16

É neste momento que David Birnbaum entra no fórum. Ele faz isso delineando a relação entre Deus e a eternidade no contexto de uma metafísica unificada que ao mesmo tempo aborda a relação de Deus com o cosmos e do cosmos com a eternidade.

Essa é a filosofia exposta em seu primeiro trabalho, Deus e o mal. É esta solução simultânea que estabelece as bases para a compreensão da existência do mal bruto trabalho no mundo. A solução de Birnbaum foi deixada quase inteiramente incontestada nos dezoito anos desde a sua publicação em 1988. No trabalho atual, Deus e o Bem, Birnbaum tem olhado mais para as implicações dessa metafísica e encontrou o indivíduo como o centro. Aqui, o indivíduo é revelado como o motor da evolução cósmica. A relação do homem com Deus, do homem com o cosmos, e o homem com a eternidade, assim, tornar-se o foco deste trabalho.

Birnbaum não sente nenhuma obrigação de obedecer às regras que os seus antecessores intelectuais seguiram. Construindo sobre o fundamento dos princípios judaicos antigos, especialmente os cabalistas, ele não tem medo de recorrer a princípios orientais de circularidade temporal, conceitos da biologia e da física que ainda tem que ser aplicados a questões metafísicas, ou percepções de outras disciplinas científicas e humanísticas que foram deixadas inexploradas pela filosofia.

Afirmando que as tentativas anteriores para caracterizar a essência do cosmos ficaram aquém da falta de um arsenal conceitual adequado, como exemplificado por Maimônides e o impasse de Aristóteles, ele consolida essas influências ecléticas em um conjunto definido de 'ferramentas' metafísicas. Birnbaum apresenta estas ferramentas noNew início de Deus e o bem. Ele então as usa para construir um modelo que seja aplicável a todas as arenas que suas influências foram inicialmente derivadas.

As implicações do original de Birnbaum - marcadamente - doutrina, portanto, variam da mais geral a mais específica. A doutrina é unificada pela tese central de que a potencialidade ilimitada puxa tanto o indivíduo quanto o cosmos para um ideal divino. Potencial é universal. Potencial é o nexo:

 

“Uma das grandes aflições do mundo espiritual do homem é que cada disciplina do conhecimento, cada sentimento, impede o surgimento de outro ... Este defeito não pode continuar para sempre. O mais nobre do futuro do homem está destinado a vir, quando ele vai desenvolver um estado espiritual de som de modo que em vez de cada disciplina negando a outra, todo conhecimento, todo sentimento vai ser vislumbrado a partir de qualquer ramo dela ... Nenhum fenômeno espiritual pode ficar independente. Cada um é interpenetrado por todos.”
– Abraham Isaac Kook, Luzes da Santidade, I, p. 22

 

Curiosamente, apesar de sua novidade, o paradigma elaborado por Birnbaum não é menos firmemente ancorados em conceitos bíblicos e talmúdica que as perspectivas judaicas anteriores que foram contidos por essas mesmas influências. Por exemplo, a auto-identificação de Deus como "Eu serei o que serei" (Êxodo 03:14) é talvez a única e melhor articulação de Deus e descrição de Bem da associação de potencialidade com Deus.

Em seu primeiro trabalho, Birnbaum meticulosamente disseca o dilemma de Adão do Jardim do Éden (Gênesis 2:17), entendendo-o como a escolha da humanidade entre o potencial/ infinito crescimento e beatitude/ limitado crescimento. Birnbaum, em seguida, continua, durante todo Deus e o Mal e agora Deus e Bem, para revelar o tema do potencial em narrativas tradicionais judaicas e mesmo mandamentos específicos do judaísmo.

No início de Deus e o Mal Birnbaum corajosamente afirma que ele tem como objetivo fornecer uma solução integrada e inovadora para o problema da (1) a origem do cosmos, (2) a natureza, por assim dizer, de Deus, e (3) a presença do mal bruto em um mundo governado por um Deus onipotente. Neste ponto, a expectativa, pelo menos para este leitor, é para uma complexa, complicada teoria abstrata demais para ser considerada de forma objectiva. O resultado, no entanto, um "modelo de potencialidade", é exatamente o oposto: profundamente discreto, mas abrangente o suficiente para satisfazer os três objectivos iniciais.

Com a apresentação do segundo livro, este modelo tem agora quatro dimensões distintas. Primeiro, em Deus e o Mal, está completamente enraizada na teologia bíblica e acadêmica. Em segundo lugar, na primeira parte de Deus e o Bem, as implicações metafísicas do modelo são descritos. Em terceiro lugar, na segunda parte de Deus e o bem, o modelo é apresentado na forma de 120 Anjos míticos, acrescentando textura para a metafísica e puxando-o para o reino diário da realidade humana. E, finalmente, na terceira seção de Deus e o Bem, o "modelo potencialidade" é traduzido em um modelo prático para a auto-realização.

É difícil lembrar de uma metafísica como unificada, ainda tão amplamente aplicável, como a apresentada aqui. A base do modelo é de concreto, enquanto as suas implicações são pessoais e, portanto, variadas. Cada leitor, portanto, vai colher o que amplia a sua própria sensibilidade espiritual. Como um judeu ortodoxo, encontro muito nas duas obras de Birnbaum que reforça a minha compreensão do judaísmo tradicional.

Não menos sui generis que o escopo do trabalho de Birnbaum, é o seu apelo implacável para as profundas compreensões humanas inatas que não pode ser adequadamente explicada em prosa padrão. Birnbaum emprega um conjunto lingüístico que às vezes se assemelha a água-apertada, raciocínio âmago-da-questão de Deus e o Mal, enquanto em outras vezes parece como solavancos concisos para a psique. O autor se afastou do estilo predominante da filosofia que tão fervorosamente analisa mistérios metafísicos apenas para expor suas próprias limitações. Ao romper da convenção, Birnbaum assumiu um risco. Ele apostou aceitação recusando-se a sucumbir a um quadro mais tradicional, que, inevitavelmente não representa totalmente a profundidade das idéias aqui apresentadas.

O teste encontra-se no coração do leitor. Para todos os seus detalhes e implicações, o núcleo deste trabalho é descaradamente simples: potencial conduz a existência. Esse conceito parecer estranho? ou parece natural? Se Birnbaum for bem sucedido, o leitor vai descobrir que a idéia tem um poder orgânico inerente. Este poder pode ser explicado em certos contextos gerais usando uma linguagem padrão, mas em outras - em particular no contexto do indivíduo - explicações tradicionais não são suficientes.

Birnbaum postula que a força motriz do cosmos pulsa dentro da alma de cada indivíduo, e assim apenas uma resposta visceral do leitor pode refletir totalmente o seu impacto. Isso é conseguido? Será que os grandes, gerais, princípios cósmicos produzem uma compreensão de si mesmo? Será que essa consciência, por si só, têm implicações significativas e práticas na vida diária? Se isso acontecer, então Birnbaum conseguiu algo totalmente único. Ele levantou uma peça central metafísica preciosamente simples e a consagrou através de sua afinidade intrínseca para a mente e o coração do leitor.

“Eu vou fazer uma nova elocução para ser ouvido na terra:
Paz paz ao longe e de perto, disse o Senhor. ”
Isaías 57:19

 

Daniel Khalil
Cold Spring Harbor
New York

 

 

 

 

 

 

 

 

Dr. Daniel Khalil é um cientista do National Institute of Health.
Ele ensina filosofia judaica na Universidade de Long Island.

 
Iconoclast Mahattanite David Birnbaum's philosophy  creatively  refines/redefines/re-focuses our conception and understanding of human purpose and ultimate reality. Iconoclast David Birnbaum's  philosophy theory is supported by fellow maverick - MIT's Seth Llloyd. See Programming the Universe, Seth Lloyd, Knopf, 2006.

Prefácio de Sanford Drob

“120 Anjos da Guarda de Deus”

Dezoito anos na elaboração, Os "120 Anjos da Guarda" de David Birnbaum, a parte poética de seu novo livro Deus e o Bem, é um complemento bonito e apropriado para a sua obra-prima de 1988, Deus e o Mal. Quase tudo sobre este novo trabalho, com exceção de sua excelência genuína, contrasta acentuadamente com o livro anterior de Birnbaum.

Considerando que Deus e o Mal foi discursiva, intimamente discutido e filosófico, "120 Anjos da Guarda" é poético, altamente pessoal, e mitológico. Visto que Deus e o Mal era profundamente sério ", 120 Anjos da Guarda" muitas vezes é leve e bem-humorado.

Visto que Deus e o mal falou com o mais alto grau imaginável de generalidade (declarando, por exemplo, que "o potencial Sagrado está no epicentro do Divino"), "120 Guardian Angels" pode ser extremamente particular (Anjo da Guarda n º 62 é "Tempestades de neve em dias de Escola, e n º 88 está "jogando xadrez com seu filho"). No entanto, enquanto o novo trabalho de Birnbaum é "particular" no sentido aristotélico de que o conhecimento do particular traz clareza ao universal, é dificilmente particular no sentido de " particularístico" ou "paroquial". De fato, os anjos de Birnbaum, enquanto eles parecem ter uma predileção por idéias e atividades judaicas (Anjo da Guarda n º 25 é "Iluminação das velas do Shabbos " e n º 75 é "Gemorrah Chavrusahs"), são ecumênicos suficiente para incluir entre eles n º 71 "Ju Jitsu "e n º 89 “marcha da banda das escolas católicas. "

Birnbaum, em Deus e o Mal, argumentou que "Potencial Sagrado" é o "impulso primordial do cosmos", e que o homem, criado à imagem de Deus, tem como seu propósito a atualização e realização desse potencial. Neste novo livro, os anjos de Birnbaum falar diretamente conosco e nos informar com precisão como este potencial pode ser alcançado. Muitos dos anjos, é claro, refletem idéias e valores (Anjo n º 4 é "Freedom" e n º 5 é "Mercy"), universalmente reconhecido, mas é na maior idiossincrático entre eles (por exemplo, n º 44 " Meninas de Cinco-Anos de Idade Rindo ", n º 50" Colocando-as-crianças-na-cama ", e n º 58" Trabalhadores do Moinho de Ferro ") que tem a sensação de que a fábrica do Potencial Sagrado (e humanos) está realmente funcionando.

Lendo o livro de Birnbaum, eu não posso ajudar mas também vê-lo como um complement do confucionista clássico Lin Yutang 1937 A Importância de Viver, em que o autor fala de forma tão eloquente e tão espiritualmente dos prazeres simples da vida, como "deitado na cama" e "sentado em cadeiras ". Lin nos diz: "Se você consegue passar uma tarde perfeitamente inútil de uma maneira perfeitamente inútil, você aprendeu a viver." Birnbaum, em Deus e o Mal, defendia uma visão muito mais ativa e, portanto, judaica/Western, do sentido da vida, mas aqui em "120 Anjos da Guarda", ele abre espaço para esses flertes como "Bolhas" (angel n º 13), "pipa de papel" (n º 54) e "Capturando o Momento" (n º 40). Parece haver um reconhecimento de que, em matéria de efetivação potencial Sagrado há, de fato, como Lin Yutang articulou, tanto "a nobre arte de fazer as coisas [e] a nobre arte de [às vezes] deixar as coisas desfeitas.

Os cabalistas, em quem muito do pensamento de Birnbaum está enraizado (anjo n º 109 é "Lurianic Kabbalah"), afirmou que há uma coincidência de opostos que regem a Deus e a humanidade; O mais recente esforço de Birnbaum, especialmente quando colocado no contexto da sua anterior (com os títulos de livros complementares explicitamente nos advertindo) certamente parece encarnar esse espírito dialético.

Chayyim Vital, cujo grande trabalho Sefer Etz Chayyim, é a exposição clássica de Lurianic Kabbalah, uma vez que reconheceu que o mundo é, na maior parte mal, com apenas um pouquinho de bom misturado. Adin Steinsaltz, o contemporâneo sábio rabínico e cabalista, disse que o pleno significado do dito aparentemente pessimista de Vital é que "o nosso é o pior de todos os mundos possíveis em que ainda há esperança, e que esta é paradoxalmente, o" melhor dos mundos possíveis ".

A razão para isso, o Rabino Steinsaltz nos diz, que somente em um mundo de extrema adversidade, um mundo "à beira" de um desastre total, a humanidade pode ser motivada a perceber as possibilidades emocionais, espirituais, estéticos e intelectuais que foram legadas a ela pelo nosso criador.
As Míticas 120 Anjos da Guarda de David Birnbaum são um coro celestial implorando-nos para fazer exatamente isso, para perceber o nosso completo potencial cósmico como seres humanos e, assim, atuar como parceiros com o divino efetivando o potencial do nosso mundo.

 

 

Dr. Sanford Drob
19 maio de 2006
Fundação co-editor, A judaica revisão NY
www.NewKabbalah.com

 


fim do local

 

A 21st Century Cosmology, Metaphysics, Philosophy:
Summa Metaphysica elucidates the David Birnbaum philosophy of Cosmic Womb of Potential.

 

for David Birnbaum philosophy, metaphysics, see also

http://www.summametaphysica.com/unt-biologygalapagos/